O escritório Botti Rubin Arquitetos Associados é dirigido pelos arquitetos Alberto Botti e Marc Rubin, ambos formados no Mackenzie no início da década de 1950. Criado em 1955, trata-se do mais antigo escritório brasileiro em atividade. Se contarmos que ele é dirigido pelos mesmos sócios-fundadores, trata-se de uma parceria longeva até mesmo no âmbito internacional.

Com sede em São Paulo, a Botti Rubin é um dos mais ativos escritórios brasileiros de arquitetura: contabiliza em seu quadro uma equipe de aproximadamente 30 arquitetos (alguns com mais de 35 anos trabalhando na empresa) e, ao longo de sua história, é responsável pela produção de cerca de 1.000 edifícios. Dentre a lista de projetos executados, estão obras destinadas aos mais diversos programas – desde edifícios residenciais (com jóias arquitetônicas admiradas pela grande maioria dos colegas, como o São Felix) passando por complexos centros de compras (como o Shopping Higienópolis, em São Paulo) e chegando até grandes complexos multiusos, como é o caso do Centro Empresarial Nações Unidas, com 280 mil metros quadrados.

Observando as fachadas dos projetos desenvolvidos pela equipe ao longo de quase seis décadas, pode-se traçar uma linha do tempo que se confunde com o desenvolvimento brasileiro das linguagens arquitetônicas e da tecnologia construtiva de cada período. Vista por esse viés, essa trajetória começa com o edifício-sede da Nestlé, com caixilhos com persianas internas e passa pelos fechamentos de madeira; chega aos edifícios com estrutura de concreto aparente e aos de aço e vidro; por fim, são destacados os elementos pré-moldados de fachada e o vidro ganha ares de protagonista nas fachadas mais recentes desenvolvidas pela equipe.

pioneirismo tecnológico
Construído no início da década de 1960, o destaque desta fachada é o fechamento, realizado por um único tipo de caixilho, inovador dentro do contexto brasileiro e de tecnologia suíça: ele conta com uma persiana móvel posicionada entre dois vidros. Vendido para o Instituto Mackenzie, o prédio hoje abriga salas de aula e os caixilhos funcionam após 50 anos.

madeira
Nos anos 60, sobretudo a primeira metade da década, a Botti Rubin desenvolveu uma série de projetos de edifícios residenciais em São Paulo caracterizados com uma linguagem única: os elementos de vedação com venezianas de madeira que contrastavam com estrutura de concreto aparente com transições estruturais no térreo.

concreto
Durante a década de 1970, prevaleceram dentro da produção arquitetônica da Botti Rubin as fachadas de concreto aparente. Neste contexto, destaca-se o edifício residencial Panorama do Morumbi, desenhado em 1971 e o Sesc Santos (1980), onde as demarcações horizontais de concreto possuem rica volumetria resultado da trama hexagonal da estrutura.

aço
Na década de 1980, o avanço na tecnologia do vidro e do aço possibilitou novas linguagens nas fachadas. Um dos marcos deste processo é o edifício River Park (1987), na região da Berrini em São Paulo, o primeiro do país a ser revestido com placas de aço inoxidável. O Centro Empresarial do Aço (1989) em parceria com o arquiteto Toscano, por sua vez, possui estrutura metálica, com destaque para a solução estrutural.

revestimentos
pré-moldados

Nos anos 90 as fachadas produzidas pela Botti Rubin ganham um novo capítulo: os revestimentos pré-moldados. Neste sentido, o grande marco é o Centro Empresarial Nações Unidas (CENU), com fachada pioneira no país, composta por módulos pré-moldados de 3,75 metros que utilizaram o granito como fôrma, onde se insere o Hilton Hotel em São Paulo.

vidro
O destaque da fachada do Centro Brasileiro Britânico (1999) é o átrio fechado com vidro estrutural com pano de vidro sem caixilho. Trata-se de uma aplicação pioneira de aranhas, peças que conectam os vidros a uma estrutura interna independente. O Landmark (2005) apresenta uma fachada de vidro realçada pelo volume elíptico, que demandou um perfil diferenciado para execução. Por fim, a sede da Roche Diagnóstica, além da marquise de acesso coberta com vidro, possui fachada com caixilhos inclinados. Por isso, o volume se comporta como um espelho, refletindo a massa arbórea circundante.

centros comerciais
Ao longo da trajetória da Botti Rubin, os shoppings foram importantes projetos. Dentre os destaques, estão o Shopping Boulevard Tatuapé (2001) e o Shopping Center Higienópolis (1999). O Shopping Iguatemi de Brasília é um dos mais recentes trabalhos da equipe. Na área central do espaço brasiliense, destaca-se a cobertura de vidro do grande espaço interno.